Ilhas do mar

sábado, janeiro 20, 2007

Homenagem a Fiama Hasse Pais Brandão

Urbanização

Tudo o que vivêramos
um dia fundiu-se
com o estava
a ser vivido.
Não na memória
mas no puro espaço
dos cinco sentidos.
Havíamos estado no mundo, raso,
um campo vazio de tojo seco.
Depois, alguém
urbanizou o vazio,
e havia casas e habitantes
sobre o tojo. E eu,
que estivera sempre presente,
vi a dupla configuração de um campo,
ou a sós em silêncio
ou narrando esse meu ver.
Na névoa, a cidade, ébria
oscila, tomba.
Informes, as casas
perdem o lugar e o dia.
Cravadas no nada,
as paredes são menires,
pedras antigas vagas
sem princípio, sem fim.


A Literatura Portuguesa está mais pobre com a sua "partida"

Saiba mais sobre ela aqui e aqui

6 Comments:

Enviar um comentário

<< Home