Ilhas do mar

sábado, abril 22, 2006

Até quando este cenário na Praia da Fajã

O CP Valour a 16 de Abril de 2006

Poço de maré coberto com uma rede à esquerda e à direita...


Bem...à direita algo feito por mão humana para vazar...LIXO


Cenário de chapas contorcidas (restos dos contentores que caíram ao mar)


É mesmo deslumbrante este local...

Será que é para a posteridade ?

Continua o CP Valour a ser alvo de romaria ( esta foi no dia 16 de Abril de 2006), já foi ampliado o espaço envolvente para estacionamento, afinal até vai dar negócio... (Males quem vem para bem)

Já lá vão quase cinco meses após o estranho acidente, é degradante tudo isto. Pelos vistos o DOP e os Vigilantes da Natureza se cansaram .

Neptuno não deu o seu contributo na limpeza, afinal nem sempre os deuses estão loucos .

PS: mesmo ao lado, descobri que fica uma lixeira de ilha, com a designação de "pseudo aterro sanitário". Fica mesmo bem numa zona de praia e de veraneio.

Onde estão os técnicos ? já que os políticos não são técnicos.


17 Comments:

  • Cara Amiga Fernanda Silva,

    Este seu post é muito elucidativo. Tenho pena de não ter fotos, mas há imensas notícias de descargas, aqui no continente, no leito dos rios de toda a espécie de lixo: de fábricas, de esgostos industriais e domésticos. Por vezes a coisa é tal que os peixes, às centenas de milhares, aparecem a bioar mortos. Vai-se a ver e não acontece nada a ninguém.

    Ficamos boquiabertos, atónitos... então é assim?

    Acontece com a miséria, aqui e pelo mundo fora. Se com a miséria, a poluição e todas as outras barbaridades que acontecem, não houvesse quem disso retirasse lucros, dividendos e outar mordomias, todas essas pragas já teriam certamente acabado.

    Põem a miséria a render
    Os que tudo têm
    E nada querem perder
    Mesmo que mate alguém

    Só com uma acção concertada
    De todos os que querem bem
    Que duma forma continuada
    Substituam o mal pelo bem

    E não vale a pena desistir
    Não podemos as forças perder
    Denunciando podemos insistir
    Até que a Humanidade possa VER

    Ver com os olhos bem abertos
    Para tudo isto impedir
    Que tudo se transforme em desertos
    Com que nos querem destruir

    Beijinho e parabéns pelo post.

    José António

    By Blogger Isabel José António, at 5:10 da tarde  

  • Olá Isabel José António

    Agradeço a visita, os parabéns e o lindo poema.

    Por acaso tenho algumas fotos, penso que de uma zona perto de Salvaterra de Magos, o canal está completamente poluído.

    Há muita poluição por todo o lado mas, as ilhas são espaços tão pequenos, tão fáceis de controlar, é necessário só sensibilidade,nem são precisos grandes investimentos, é só uma questão de inteligência, de gosto, de querer.

    By Blogger FSilva, at 12:43 da manhã  

  • Vou dizer algo aqui, que não é para ofender ou magoar ninguém, mas sim, com o sentido de ajudar a transformar: olhando essas fotos e sabendo-se que as coisas que são reveladas pelo José António, são verdadeiras, fico aqui pensando que o descaso brasileiro pelo meio ambiente e por suas belas paisagens, é um registro adquirido de herança... Mas ainda acredito nas possibilidades, mesmo sabendo-se que muito do que desejamos não passará da utopia. Sempre valerá tentar e te parabenizo por continuares insistindo. Além disso, esse lugar merece!!!

    Um lindo domingo, com 1 beijo!!!
    Ainda esto sem meu computador...

    ò,ó

    By Blogger Lâmina d'Água, Silêncio & Escriba, at 2:39 da tarde  

  • Bem, por aqui quando aparece muita gente o pessoal fica todo satisfeito, porque o turismo está a aumentar, nem que seja para qualquer coisa que só faz porcaria. Afinal reclamar para quê? O melhor é montar um barzinho com esplanada e aproveitar a situação!

    Peço desculpa pelo sarcasmo, mas também fico danada quando vejo esse tipo de coisas!

    By Blogger Jardineira aprendiz, at 7:13 da tarde  

  • Em resposta à tua pergunta:
    sou do Faial. Apesar de agora me encontrar a trabalhar no Canadá, regresso à base (sempre). ;)

    By Blogger Caiê, at 9:06 da tarde  

  • Um cenário desolador e constrangedor. Uma ineficácia e insensibilidade que provoca em todos nós revolta. Só de pensar que a Secretaria do Ambiente e do Mar está por aí impávida serena...
    Olha, vim aqui dizer que o sêlo pela Amazónia já está a votação. Quando puderes passa por lá. Um abraço.

    By Blogger Fátima Silva, at 12:33 da manhã  

  • Ainda!

    Realmente é uma vergonha.

    Bjos e uma boa semana.

    By Blogger aprendiz de viajante, at 1:06 da manhã  

  • I'm back and alive!
    Tens razão não se consegue ver o Pico num dia. mas creio que mesmo assim vi muito e bom! Acabei por alugar um carro. É lindissima a ilha, creio que mais que o Faial. Enfim, são diferentes, acho que se complementam, mas acho a paisagem e a flora mais diversificada no Pico. Há partes, designadamente na encosta norte que parece que estamos algures na Beira Alta ou mesmo Minho! Enfim haverá muito para dizer. Posteriormente publicarei a viagem no meu blog. Estas imagens do CP Valour estão-me na retina, pois ainda há dias atrás lá estive. Não consegui chegar mesmo à praia, fiquei pelo muro, pois puseram lá um polícia para impedir as pessoas de se aproximarem, mas tens razão aquilo destoa, mais parece uma aterro de sucata, mas há que ter paciência, há-de haver um fim. Gostava de te perguntar uma coisa: Como é que vocês fazem o arroz, como é que é cozido?

    By Anonymous roadrunner, at 6:55 da tarde  

  • Não vou responder individualmente, desculpem.

    Estou feliz com a vossa visita e o terem apreciado a minha preocupação.

    Bjs

    By Blogger FSilva, at 10:54 da tarde  

  • roadrunner

    Foi mesmo uma correria! Não deu para apreciar o ritmo das gentes açorianas, do seu clima e de muitas especificidades da ilha.

    Certamente, não desceu à Gruta das Torres,não subiu ao sopé da montaha, não avistou os alinhamentos dos cones vulcânicos no planalto da achada e na descida para a Piedade, não se banhou nas piscinas naturais, não se embrenhou nos "mistérios",....estou a ser enfadonha,rsrsrs.

    As ilhas completam-se geológicamente são muito diferentes, no passado viviam em simbiose, do Pico ia para o Faial, a lenha, o vinho, a fruta, em sentido contrário, vinha o cereal, a batata, o gado.

    Não sei se está a referir o arroz doce.Se é, sinceramente não sei qual o segredo, nas Festas do Espírito Santo, normalmente é cozinhado por homens (não dão a receita rsrs).

    Esteve bom tempo?

    Necessita de voltar e visitar S.Jorge. No Verão, à barco diáriamente.É uma ilha diferente e com particularidades muito interessantes.

    By Blogger FSilva, at 11:57 da tarde  

  • Sim, realmente faltou muita coisa. As grutas era uma das coisas que tinha planeado visitar, mas depois o tempo escasseou... Fiz a volta à ilha no sentido São Roque do Pico e as grutas seriam para o fim, mas depois o tempo não chegou. Referia-me ao arroz normal cozido para acompanhamento dos pratos (arroz de marisco, arroz com polvo, etc.). É que é muito diferente do continente, não sei se será da qualidade do arroz se da maneira como é feito. Quanto ao ritmo das gentes açoreanas deu para apreciar! No stress! Para ti, se fosse possível escolher uma ilha (a mais bela)dos Açores, qual seria?

    By Anonymous roadrunner, at 9:40 da manhã  

  • Nunca me apercebi da diferença do arroz.

    Escolher uma ilha para viver é díficil, depende do ritmo e do tipo de vida que se goste ou pretenda ter.Para viver com qualidade urbana, Ponta Delgada, já é uma cidade com cultura, divertimento,não muito stressante, acesso fácil e rápido a Lx.
    Viver num meio rural, o Pico, porque não tens a sensação de isolamento, tens sempre uma ilha em frente e sabes que podes também deslocar com facilidade.

    Viver em plenitude contigo próprio, uma semana na Fajã Grande, na ilha das Flores.

    Qual a mais bonita não sei, são todas diferentes. Gosto muito da "minha"tartaruguinha (Faial, vista aéra), embora esteja muito descaracterizada e abandonada nos últimos tempos, sobretudo desde o sismo de 98.

    Penso que há algumas semelhanças entre Flores e S.Miguel, sendo a primeira muito mais pequena.

    Vivo na zona Norte da ilha (Prainha).

    Bom 25 de Abril

    By Blogger FSilva, at 1:28 da tarde  

  • P.S. numa zona de Turimo rural, muito bonita

    By Blogger FSilva, at 1:29 da tarde  

  • Na Praínha?! Junto à Reserva Florestal Natural? Mas esse é o lugar mais lindo (para mim) da ilha! É espectacular, a flora e a vista de S. Jorge! Um paraíso autêntico. Parabéns. Realmente no Faial nota-se um pouco o abandono motivado pelo sismo, de casas, igrejas e até faróis (lembro-me particularmente de um, segundo creio na Ponta da Ribeirinha, completamente em ruínas). No Pico não se nota nada disto, antes pelo contrário, tudo muito bem preservado e arranjado, casas, parques, igrejas e até as estradas, que estão muito bem asfaltadas, coisa que não acontece no Faial e mesmo em S. Miguel. O sismo de 98 não teve repercussão nenhuma no Pico, a nivel da estrutura dos edifícios?

    By Anonymous roadrunner, at 9:37 da tarde  

  • Ah! E Bom 25 de Abril! Sempre!

    By Anonymous roadrunner, at 9:37 da tarde  

  • O sismo teve alguma repercussão no Pico,menor do que no Faial e principalmente em edíficios de má qualidade. Penso que a população e as entidades do Pico, souberam tirar algum partido da situação, aproveitando para melhorar a construção.Há também no Pico, nos últimos tempos, uma sensibilidade diferente e uma preocupação em manter o tradicional, é uma questão de "moda" seja bem vinda esta.

    By Blogger FSilva, at 10:39 da tarde  

  • By Blogger freefun0616, at 8:56 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home